Eng. Igor Dantas

Artigos sobre Tecnologia e Materiais de Aula

Parque Tecnológico na Bahia

Parque tecnológico na Bahia

A primeira fase do Parque Tecnológico da Bahia, em Salvador, foi inaugurada no dia 19 de setembro. A iniciativa procura concentrar empresas e instituições de pesquisa e de inovação, tornando o estado uma referência na área de tecnologia, numa busca por mudar a ênfase agroexportadora da economia baiana. O prédio inaugurado, batizado de Tecnocentro, custou R$ 53 milhões e abriga empresas, como a IBM, a Portugal Telecom e a Ericsson Inovação, além de instalações da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e da Universidade do Estado da Bahia (Uneb). A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) firmou um convênio com a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação para criar no polo uma unidade de bioinformática, cujos equipamentos estão sendo adquiridos. “A intenção é nuclear um grupo para dar apoio  a iniciativas na área de biologia molecular”, diz Gonçalo Amarante Guimarães, professor do Instituto de Biologia e pesquisador do Laboratório de Genômica e Expressão da Unicamp, que lidera a parceria. Gonçalo é graduado pela UFBA. O parque tecnológico vai espalhar-se por uma área de 581 mil metros quadrados e está dividido em 83 lotes, sendo 22 públicos e 61 privados. Já abriga 25 empresas, sendo 9 incubadas e 16 consolidadas. A segunda fase, que envolve a construção de infraestrutura de laboratórios, de uma escola de iniciação científica e de um museu, tem conclusão prevista para dezembro de 2014, com investimentos de R$ 59 milhões.

Fonte: Fapesb (http://revistapesquisa.fapesp.br/2012/10/11/parque-tecnologico-na-bahia/)

Google pros Tecnológicos

Image

Não resta dúvidas de que a ferramenta de buscas do Google revolucionou a forma de acessar a internet. Ela é de longe mais eficiente que suas concorrentes e, quase sempre, nos leva à informação que queremos. Para profissionais de tecnologia a revolução não parou por aí. Mudaram as formas de aprendizado e também o que realmente deve ser aprendido.

Se antigamente técnicos, programadores e engenheiros precisavam decorar diversas “receitas de bolo” para conseguir resolver os problemas mais comuns do seu dia a dia, hoje muitas dessas informações podem ser acessadas em fração de segundos. Se precisamos saber como faz alguma coisa em uma linguagem de programação ou como funciona um determinado chip, está tudo lá.

Portanto, duas coisas são essenciais para os profissionais hi-tech:
– Avaliar o que precisa ser aprendido;
– Aprender a pesquisar e conhecer bem da ferramenta de busca, o Google.

Como a maioria das informações específicas estão na internet é muito mais proveitoso investir em assimilar conceitos. É muito melhor saber como funciona e como usar um transistor qualquer do que gravar detalhes do transistor BC547. Assim como é preferível saber a utilidade de loops na programação do que gravar a estrutura do while nessa ou naquela linguagem.

E com relação à pesquisar no google, aí uns links interessantes:
http://sucessonainternet.net/emarketing/9-dicas-para-pesquisar-no-google-como-um-perito/
http://revistaescola.abril.com.br/lingua-portuguesa/pratica-pedagogica/como-fazer-boa-busca-internet-423567.shtml

Outras dicas são:
– Refinar a busca com palavras mais específicas ou complementos: “manga da camisa” ao invés de “manga”
– Fazer buscas iniciais para descobrir a melhor palavra chave na busca: às vezes você nem sabe o que está procurando
– Aprender inglês para aumentar seu universo de pesquisa

Abs e boas pesquisas!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.